DESIGN: uma breve história da moda.


 Século XX - Anos 40

 A moda sobreviveu, mesmo com Paris nas mãos dos inimigos. Nos Estados Unidos, as saias ajustaram, adequando-se às restrições impostas pela guerra. As saias voltam a encurtar. A moda agora era calças compridas de corte masculino, pois eram práticas e populares, lenços na cabeça, chapéus frívolos adornados com flores e véus. Na falta de matéria-prima, causada pela guerra, as mulheres adotam toques alegres e criativos no vestuário. Turbantes para  substituir os chapéus; bijuterias para repor as jóias; plataformas para não gastar o material do sapato. Maquiagem inspirada na criatividade de Carmem Miranda. Os sapatos eram de couro brilhante.

 A alegria invadiu as ruas com a libertação de Paris, em 1944, assim como os ritmos do jazz e as meias de nylon americanas, trazidas pelos soldados, que em troca levaram para suas mulheres o perfume Chanel nº 5. Com a intenção de angariar fundos e confirmar a força e o talento da costura parisiense, em 1945 foi criada uma exposição de moda. Como não havia material suficiente para a produção de modelos luxuosos, a solução foi vestir pequenas bonecas, moldadas com fio de ferro e cabeças de gesso, com trajes criados por todos os  grandes nomes da alta-costura francesa.

 Em 1947, acontece algo de inesperado, surge o “new look” de Dior com cinturas apertadas e saias amplas e chapéus grandes. Christian Dior, um jovem estilista, revoluciona a moda na Europa. Era uma moda feminina, que acentuava todas as curvas do corpo das mulheres, além de ser suntuosa e luxuosa. O sucesso foi imediato. As criações de Dior foram copiadas em todo o mundo. Estas novas linhas eram totalmente diferentes das linhas severas da moda do período anterior à guerra e durante os tempos de guerra. Era a visão da mulher extremamente feminina, que iria ser o padrão dos anos 50.

Comentários