Estilo Brasileiro, Lino Villaventura é a representação artística do país


Lino Villaventura, nascido Antônio Marques dos Santos Neto, (Belém, 1951) é um estilista brasileiro. Usando referências regionais misturadas a construções elaboradas, como a da alta-costura, é reconhecido por um estilo único, de looks dramáticos, sempre finalizados com enfeites na cabeça. Trabalhos de nervura sobre tecidos e a cor preta são duas das marcas registradas do estilista.


Lino Villaventura é conhecido pelo trabalho minucioso com o tecido. Em uma mesma peça mistura bordados, nervuras e aplicações. É um fazedor de sonhos. Ver uma coleção dele na passarela é ver um museu ao contrário.


O paraense que construiu a carreira no Ceará, onde morou boa parte da vida, foi um dos primeiros estilistas a se destacar no mercado internacional como um nome da moda brasileira. Participou, em 1996, do Morumbi Fashion, que originou a São Paulo Fashion Week, e até hoje é um dos nomes mais respeitados na moda nacional.


Além de lojas em São Paulo e Fortaleza, as peças de Lino são vendidas em multimarcas famosas. Durante algum tempo estiveram na Magrella, em Brasília. O estilista já vestiu mulheres importantes como Ruth Cardoso, Xuxa e Rita Lee.


Começou sua carreira em 1978 e em 1982 lança em Fortaleza a marca "Lino Villaventura" em parceria com Inez Villaventura. Já em 1987 participa de eventos e exposições nacionais e internacionais mostranto seu trabalho. Em 1996 participa do Morumbi Fashion, que depois viria a ser o São Paulo Fashion Week. O estilista tem lojas próprias em São Paulo e Fortaleza, e também vende suas criações em lojas multimarca de Brasília, Rio de Janeiro, Vitória, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre.


Outra faceta do trabalho do estilista é como figurista de cinema e teatro. Entre outros, fez os figurinos do filme Bocage, o Triunfo do Amor, e da peça teatral Dorotéia, uma Farsa Irresponsável em Três Atos, de Nelson Rodrigues, que lhe valeu uma indicação ao Prêmio Shell de Teatro de 1996.


Desenhou roupas exclusivas para personalidades como Xuxa e Hebe Camargo. Alem disso fez roupas exclusivas para a boneca Barbie. Lino Villaventura foi um dos primeiros estilistas brasileiros a voltar os olhos para o mercado internacional. Em 1989, já com pouco mais de dez anos de carreira e referência na moda brasileira, o paraense, então radicado no Ceará, foi convidado pelo Itamaraty para representar o Brasil em uma feira internacional em Osaka, no Japão, a "World Trade Fashion”.



Além do prestígio no mundo da moda, o trabalho de Lino começava a ser reconhecido nas artes plásticas também. Em 1988, o Stedelijk Museum, de Amsterdã, havia arrematado um vídeo com o registro das criações do estilista.


E em 1995, os trabalhos de Lino integraram a exposição "Art do Wear - Lunst als Kleidung", na Alemanha. Participou, ainda, da exposição "A Arte do Brasil em Beirute", no Museu Sursoak, no Líbano. Em 1996, quando foi lançado o Morumbi Fashion Brasil, embrião do São Paulo Fashion Week, Lino integrou a primeira equipe de estilistas que desfilaram. E até hoje, lança coleções nas duas edições anuais do evento.


Em 2003 assisti pela primeira vez, um desfile deste mestre durante a SPFW e na abertura, a silhueta de Ana Hickmann surpreendeu à todos. Lino Villaventura levou para a passarela uma coleção inspirada na chiquérrima Diana Vreeland e simbolizada no desfile com figura da top gaúcha, que logo na abertura deixou todos espectadores boquiabertos. A teatralidade continua sendo a marca dos desfiles do estilista até hoje, e esse desfile começou e Ana apareceu confortável e elegantemente deitada sobre uma chaise longue. Era a própria Diana Vreeland (1906-1989), editora de revistas de moda como "Harper's Bazaar" e "Vogue América", inspiração do estilista para aquela coleção. Amei e à partir daí Lino tornou-se meu ídolo, minha inspiração.


O estilista tem como parceira a mulher Inez Villaventura, produz as criações em uma fábrica própria. E vende em lojas Lino Villaventura de São Paulo e Fortaleza e em multimarcas de Brasília, Rio de Janeiro, Vitória, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre.


Também faz roupas sob encomenda. Apesar do público predominantemente feminino, veste homens também. As criações primam pela mistura de materiais diversos como escamas de peixe desidratadas, borrachas, couro de cabra, palha de buriti, rendas, musselines e tafetás.


Outra faceta do trabalho do estilista é como figurista. Entre outros, atuou no filme "Bocage, O Triunfo do Amor", de Djalma Limongi Batista, e da peça "Dorotéia, Uma Farsa Irresponsável em Três Atos", de Nelson Rodrigues, que lhe valeu uma indicação ao Prêmio Shell de Teatro de 1996. Lino Villaventura, moda e arte, isto sim é moda brasileira.

Assista ao Documentário de Moda - Série: "Viajar pelo Brasil é Moda" - ABEST e Ministério do Turismo com direção de Sonia Moraes
 

por MRG

Postagens mais visitadas deste blog

MARCAS e ESTILISTAS: Paco Rabanne, o inventor da armadura dos anos 60.