MARCAS e ESTILISTAS: Givenchy, ligado ao cinema mais do que qualquer outro estilista.

Hubert de Givenchy, ou Hubert-James Marcel-Taffin Givenchy (Bauvais, 21 de fevereiro de 1927) é um aristocrata e estilista francês.

Aos 17 anos Givenchy foi para Paris, levando uma pasta cheia de desenhos. Trabalhou nas casas de Jacques Fath, Robert Piguet, Lucien Lelong e Elsa Schiaparelli. Abriu sua própria maison em 1952, e o reconhecimento foi quase imediato.


Muitas das criações de Givenchy foram feitas com tecido de camisaria. Criou a blusa Bettina, em homenagem à modelo Bettina Graziani, e que foi uma de suas criações de maior sucesso. A blusa tinha mangas que terminavam em babados de bordado inglês e a gola larga e aberta. Com esse sucesso, a fama de Givenchy consolidou-se. Suas criações eram luxuosas e com estilo nitidamente influenciado pelo estilista espanhol Balenciaga, e Givenchy jamais negou que o trabalho de Balenciaga o inspirava. Balenciaga e Givenchy conheceram-se em 1953 e foram amigos até a morte do espanhol, em 1972.

Givenchy tem o seu nome ligado ao cinema mais do que qualquer outro estilista. Ele vestiu Audrey Hepburn em vários filmes, sendo que o primeiro deles foi Sabrina, em 1954. Grace Kelly, Gloria Guinness, Dolores Guinness, Babe Paley, Wallis Simpson, Mona von Bismarck e Jacqueline Kennedy Onassis foram outras clientes famosas de Givenchy.

Criou também perfumes, e entre eles destacam-se Amarige, Organza Eau de Parfum, Organza First Light e So Givenchy. Em 1981, a Maison Givenchy foi vendida, sendo que a linha de perfumes ficou com a Veuve Clicquot, e a parte de alta-costura foi para o Grupo Louis Vuitton Moët Hennessy. Atualmente, a Louis Vuitton também é proprietária da linha de perfumes fabricados pela Givenchy.


Givenchy despediu-se das passarelas em 1995, com um desfile para o qual foram convidados apenas amigos pessoais, estilistas e principais clientes. A marca Givenchy continua a existir. Algumas das principais modelos da marca são Liv Tyler e Paula Enderle, famosas pelos comerciais da "grife".

Givenchy Hubert James Taffin de Givenchy nasceu em Beauvais, França, em 1927. Filho do marquês Lucien Taffin de Givenchy e de Béatrice de Givenchy, seu avô dirigia uma oficina de tapetes em Beauvais.

Muito cedo ele demonstrou interesse pela moda. Aos dez anos, ao visitar uma exposição de figurinos dos mais famosos estilistas franceses, identificou-se imediatamente com o universo luxuoso da alta-costura.

Ao contrário do que sua família desejava, Givenchy não se tornou advogado, tendo cursado a Escola de Belas Artes, em Paris. Chegou a trabalhar com nomes importantes da costura parisiense, como Jacques Fath, Robert Piguet e Lucien Lelong. Trabalhou também com Christian Dior e Elsa Schiaparelli, antes de abrir sua própria maison, em 1952, no número 8 da rua Alfred de Vigny, na Monceau Plain, em Paris.


Nesse mesmo ano, apresentou sua primeira coleção de alta-costura, que ficou marcada pela blusa de babados nas mangas, batizada de Bettina, nome da sua principal modelo e também relações públicas da marca.

O ano de 1953 foi muito importante para Givenchy, pois conheceu aquela que viria a ser sua musa inspiradora, amiga e responsável por muito de seu sucesso internacional, a atriz Audrey Hepburn.


O estilista criou modelos para a atriz, imortalizados em filmes como "Bonequinha de Luxo" ("Breakfast at Tiffany's"), de 1961, "Cinderela em Paris" ("Fanny Face"), de 1957 e "Sabrina", de 1954. Esse último chegou a ganhar o Oscar de melhor figurino, que era assinado por Edith Head - a designer mais requisitada de Hollywood na época -, a qual não deu o devido crédito a Givenchy pelo famoso vestido de baile, usado por Audrey Hepburn no filme.

Em resposta, a atriz exigiu que, em seus próximos filmes, seu guarda-roupa fosse todo feito pelo estilista francês, que criou modelos tão elegantes, que a imagem de Audrey Hepburn, usando um vestido longo preto e uma piteira, em "Bonequinha de Luxo", se tornaria inesquecível.


O guarda-roupa da personagem Holly Golightly estava repleto de clássicos, os vestidos pretos, as cinturas marcadas, os comprimentos pelo joelho, as estruturas limpas e os sapatos discretos. As combinações perfeitas entre as criações do estilista e sua musa inspiradora produziram um clima de encanto, de glamour, que marcou Audrey e Givenchy como sinônimos de elegância e refinamento.

Também em 1953, Givenchy encontrou o estilista espanhol Cristóbal Balenciaga, que foi seu grande mestre, segundo declaração feita pelo próprio Givenchy. A influência de Balenciaga está presente no espírito de muitas de suas criações e o evidente gosto pela estrutura minimalista das roupas.

Durante os anos 50, ele criou vários modelos "chemisier", na forma saco, largos na parte superior e afunilando-se em direção à bainha. Também fez muito sucesso com os separáveis - peças que podem ser combinadas entre si -, e com as suas famosas blusas de tecidos de camisas.

Givenchy foi o primeiro designer de alta-costura a apresentar uma coleção feminina de prêt-à-porter, intitulada "Givenchy Université", em 1954.
Em 1957, lançou seu primeiro perfume, o feminino "Le De". Originalmente vendido a poucos seletos clientes e amigos de Givenchy, atualmente ele só é encontrado em Paris, nas galerias Lafayette e Printemps, na Sachs, em Nova York e na Harrods e Selfridges, em Londres.

Ainda em 1957, criou o perfume "L'Interdit", em homenagem a Audrey Hepburn, e, em 1973, entrou para o mundo da moda masculina, com o lançamento da linha "Gentleman Givenchy".

Além de Audrey Hepburn, Givenchy vestiu outras tantas famosas, como Jacqueline Kennedy, Grace Kelly e a duquesa de Windsor.

Em 1981, os perfumes da marca passaram para o controle da Veuve Cliquot Champagne e, em 1988, a Givenchy Couture foi vendida para a LVMH (Moet Henessy Louis Vuitton), que é hoje o maior grupo de comércio de marcas de luxo.


Em 1995, o estilista fez seu último desfile, deixando seu lugar na maison para o britânico John Galliano, graduado pela London's St Martin's School of Art e três vezes eleito o designer do ano pelo British Fashion Council.

Sua estréia foi em janeiro de 1996, com uma coleção criativa e dramática, com crinolinas e vestidos de cauda longa, chapéus de sino, anos 20, vestidos anos 30 e tailleurs anos 40.

Um ano depois, em outubro de 1996, o também britânico Alexander McQueen foi escolhido como seu sucessor. Sua primeira coleção para a Givenchy foi apresentada em janeiro de 1997 e, em 1998, ganhou o prêmio de melhor designer do International Fashion Group.

Após algumas especulações sobre quem se tornaria o principal nome da marca, no lugar de McQueen, Julien Macdonald foi nomeado diretor artístico da casa em março de 2001. O jovem Macdonald tem em seu currículo a experiência de ter trabalhado para a maison Chanel e é dono de sua própria casa, desde 1997.

Hubert de Givenchy esteve no Brasil duas vezes: a primeira na década de 50, para o lançamento de uma coleção de algodão que havia sido encomendada pela fábrica de tecidos Bangu e a outra, em 1995, para abrir o Primeiro Congresso Brasileiro de Moda, promovido pelo Instituto Zuzu Angel e pela Faculdade Veiga de Almeida, no Rio de Janeiro.


A linha do tempo

1970

● Lançamento do perfume feminino GIVENCHY III.

1975

● Lançamento do perfume masculino GIVENCHY GENTLEMAN.

1980

● Lançamento do perfume feminino EAU de GIVENCHY.

1984

● Lançamento do perfume feminino YASATIS, tendo como garota-propaganda a modelo Carla Bruni, atual primeira dama francesa.

● Lançamento de duas linhas esportivas: Givenchy Knitwear e Givenchy Life.

1986

● Lançamento do perfume masculino XERYUS.

1989

● Lançamento da GIVENCHY BEAUTÉ, uma linha de cosméticos e maquiagens; e da SWISSCARE for GIVENCHY, uma linha de produtos para a pele.

1990

● Inauguração da primeira boutique masculina da grife em Paris.

1991

● Lançamento do famoso perfume feminino AMARIGE.

1996

● Lançamento do perfume feminino ORGANZA.

1998

● Lançamento do perfume masculino PI by GIVENCHY.

2002

● Lançamento do perfume masculino GIVENCHY POUR HOMME.

2003

● Lançamento do perfume VERY IRRÉSISTIBLE GIVENCHY, tendo em sua campanha o rosto da atriz Liv Taylor. A versão masculina do perfume seria lançada dois anos depois.

2004

● Lançamento da GIVENCHY Le Makeup, uma linha de maquiagem extremamente chique e moderna com cores inovadoras e novas fórmulas, que permitiam total controle sobre os efeitos na pele.

2005

● Lançamento do perfume feminino MY GIVENCHY.

2006

● Lançamento do perfume feminino ANGE ou DÉMON, personificado pela bela Marie Steiss, filha do ex-primeiro ministro francês Dominique de Villepin.

● Lançamento do perfume feminino ABSOLUTELY GIVENCHY.

2007

● Inauguração do primeiro “Snow Spa” no Hotel Cheval Blanc, em Courchevel, na França, no mês de março. O Spa Cheval Blanc foi criado e projetado por Claude Renaudin e Patrick Ribes. A GIVENCHY é pioneira no mercado, com 15 anos de experiência em spas de luxo, e possui atualmente 6 unidades localizadas nas Ilhas Maurítius (Saint Geran Hotel & Givenchy Spa), São Paulo (Renaissance Spa & Givenchy), Dubai (One & Only Royal Mirage), Cannes (Hotel Martinez & Givenchy Spa), Montreal (Les Trois Tilleuls & Spa Givenchy) no Canadá e Montreux (Mirador Kempinski) na Suíça.

2008

● Lançamento do perfume masculino π NEO, uma releitura do PI, lançado há 10 anos. A embalagem futurista foi criada pelo designer Serge Mansur, que se inspirou na forma de uma pirâmide – o frasco não é exatamente triangular – e sim um quadrado com um corte no meio com um metal prateado nas bordas. O líquido da fragrância tem um tom azul acinzentado e é leve e fresco, além de fixar muito bem na pele.

● Lançamento do perfume masculino PLAY.

● Lançamento do GIVENCHY Le Soin Noir, um novo creme para rejuvenescimento que leva em sua formulação um ingrediente exótico: seiva de alga negra. O produto protege o DNA das células contra a radiação, além de refazer a conexão entre elas, combatendo os sinais de envelhecimento.

2010

● Lançamento do perfume feminino EauDemoiselle, uma nova fragrância dedicada às jovens mulheres, que procurar um perfume sensual e com personalidade.

Postagens mais visitadas deste blog

MARCAS e ESTILISTAS: Paco Rabanne, o inventor da armadura dos anos 60.