ASICS e produtora Field Trip Recordings lançam versão exclusiva do tênis Gel-Kayano 14(R)

Imagem
Inspirado na frequência da luz visíve l de 555 THz , o tênis FTR x ASICS GEL-KAYANO® 14 apresenta cores vibrantes. Fotos: Divulgação       A ASICS Sportstyle e a Field Trip Recordings (FTR), renomada produtora independente canadense, anunciam o mais recente design do icônico tênis GEL-KAYANO® 14. Este lançamento marca a expertise em inovação de calçados esportivos da ASICS com a criatividade musical da FTR. Inspiradas pela frequência de luz visível de 555 THz, as cores do tênis apresentam vibrantes tons de verde encontrados nesse espectro, criando uma estética única e cativante. O modelo incorpora ainda a tecnologia avançada de amortecimento GEL, oferecendo conforto e suporte excepcionais a cada passo, tornando-o ideal para o uso diário. O FTR x ASICS GEL-KAYANO® 14 foi revelado pela primeira vez exclusivamente pela FTR durante a Semana de Moda de Paris.         "Estamos empolgados em trazer essa parceria com a ASICS através do tênis GEL-KAYANO

ENTRETENIMENTO: Panamericana celebra 60 anos com exposição inédita das obras de Enrique Lipszyc


Vasto trabalho artístico do fundador da Escola é apresentado pela primeira vez ao público, com curadoria de Alex Lipszyc e Massimo Picchi


A Panamericana Escola de Arte e Design comemora 60 anos em 2023 e para celebrar a uma história de sucesso como referência na valorização e estímulo da profissionalização da criatividade brasileira, a instituição vai realizar, a partir de 20 de junho, uma exposição inédita das obras de seu fundador, Enrique Lipszyc. Intitulada O Criador e Sua Obra, a exposição reúne telas e desenhos produzidos entre 2012 e 2020.
 
São raros os nomes cujo propósito profissional e de vida se fundem à vocação pessoal; essa mistura é nítida na figura de Enrique Lipszyc (1932-2020). Empresário, artista, professor, visionário e amante das artes e da educação, Lipszyc se identificou com a arte ainda jovem, se envolvendo em círculos de desenhistas e artistas em Buenos Aires, onde nasceu.
 
Desenhista voraz, pintor cauteloso e professor dedicado, ele nunca expressou vontade de expor suas obras. Mas isso mudou em 2019, quando em uma conversa com seu filho, Alex Lipszyc, atual presidente da Panamericana e curador da exposição junto com Massimo Picchi, mostrou desejo em apresentá-las. "Tivemos esta conversa e foi uma surpresa para mim. Ele sempre explorou seu lado artístico desde muito novo, mas foi impedido de trabalhar nesse universo pelo pai, que o impôs a fazer faculdade de direito, curso que nunca terminou e que foi um embate até o fim da vida do meu avô, que morreu sem fazer as pazes com ele", explica Alex. "Surgiu a partir daí, um bloqueio em mostrar sua veia artística para o mundo, mas não o bloqueio criativo. Muito pelo contrário: ele continuou criando através das décadas e não parou mais, trabalhando até o último dia de vida", conta Alex. "De alguma forma, meu pai conseguiu atingir o sucesso por meio da arte criando a Panamericana, deixando seu talento artístico como uma atividade em paralelo", acrescenta.  
 
Para a exposição, os curadores jogam luz sobre um recorte temático predominante no trabalho de Lipszyc - o mito de Adão e Eva. Sob uma ótica que extrapola os muros erguidos pelo viés da religião, o artista expressou o caráter primordial desses dois personagens, seus comportamentos que o diferenciavam dos outros animais e que definiram permanentemente a existência humana. As necessidades e demandas antes instintivas – desejo sexual, fome, sede, proteção - cedem lugar para os sentimentos secundários, como amizade, confronto, ciúmes, poder, autoidentificação, entre outros. Essa construção da negação da perfeição encontrada no paraíso e da inauguração da humanidade e, consequentemente, a sua ambiguidade e contradições, é nitidamente percebida nos trabalhos de Lipszyc, que teceu cada etapa evolutiva do casal. "Ele contava que é como se visitasse Adão e Eva e acompanhasse o dia a dia deles, como se fizesse parte daquele ambiente. O pintor, neste momento, passa a ser um espectador direto, quase um voyeur das cenas retratadas", comenta Alex Lipszyc.
 
A mulher é o agente que se apodera da dinâmica do casal e isso pode ser observado em diversas obras da exposição. "Há uma dinâmica de poder protagonizada por Eva, que se utiliza de várias ferramentas no desenvolvimento dessa relação. A humanidade só foi possível graças ao poder que ela exercia sobre Adão em todos os aspectos – linguagem, sexo, tarefas do dia a dia, entre outros assuntos –, ou seja, a humanidade nasceu do matriarcado", enfatiza Alex.
 
A figura humana é o centro desta temática praticada por Enrique Lipszyc em toda a sua trajetória artística. Neste universo do casal primordial, há um objetivo incessante por traduzir uma interpretação mais pura do mito de Adão e Eva. "Nessa procura permanente, meu pai concluiu que mesmo passados milhares de anos, evoluções tecnológicas e intelectuais, continuamos sendo os mesmos seres de sempre: buscamos nos reconhecer no outro, não somos felizes em nossa individualidade, mas sim no coletivo, sempre estamos em conflito por questões banais e que sem o diálogo não solucionamos nossos problemas".
 
Por ser um tema recorrente em todo o trabalho de Enrique Lipszyc, os curadores precisaram fazer um recorte temporal para a exposição. "Enrique trabalhou nesse tema por toda a sua vida nas artes e seria impossível expor todas as obras, que chegam a ser centenas", comenta Massimo Picchi, ex-diretor geral da Panamericana. Ao estudarem todo o acervo, eles observaram que os últimos anos expressam um artista mais consciente de seu ofício e seu estilo. "De 2012 até 2020, há uma consciência palpável, um domínio pleno de sua identidade como artista", enfatiza Picchi. O desenho, técnica que será a mais vista da exposição, foi a que Enrique Lipszyc mais trabalhou durante a sua vida. "Ele desenhava como se fosse um gesto natural, quase inconsciente. Toda a ideia chegava por meio do papel para ele, que depois evoluía – ou não – para a tela", conta Alex.
 
Assim como no desenho, Enrique Lipszyc se expressava de maneira mais visceral; o artista tinha uma criatividade para explorar novos materiais de diferentes formas. Na pintura, elementos como terra, cola, cera, além de telas reaproveitadas eram empregados em seus trabalhos. "É possível enxergar esses materiais que conversam com a temática proposta; para uma cena mais leve, Enrique utilizava tonalidades mais calmas, traços mais sutis. Já nas cenas de conflito, tons mais vibrantes e texturas mais marcantes são observadas", explica Alex.
 
Na jornada de criatividade e liberdade, Enrique Lipszyc não abriu mão de seu esmero e organização. Em todas as suas obras, dedicou tempo para categorizar e catalogar todo o processo de criação. "Ele anotou, na parte posterior de cada obra, tudo que foi empregado – papel, tela, tintas, entre outros materiais, técnicas utilizadas e data, fazendo valer seu trabalho primoroso como professor por mais de 5 décadas", conta Alex. Nesse contexto, a mostra também apresenta a intimidade do dia a dia de Enrique Lipszyc, com uma sala que reproduz o seu ateliê, com as ferramentas, mobiliário original e outros elementos que compunham o seu ambiente de trabalho.
 
Para Massimo Picchi, a identidade de Enrique Lipszyc está totalmente definida em seu lado como pintor e artista plástico. "A parte artística de Enrique era a mais verdadeira, a mais passional, a mais integrada com a técnica e o conteúdo. Ele tinha uma paixão pelo homem, pela mulher, desenvolvendo esse tema de uma maneira muito pessoal, muito genuína. O seu estilo muito apurado, expressionista, ganhava vida com as técnicas que ele escolhia:  a óleo, acrílico, mistas, variando-as nas telas e nos desenhos, esses sendo muito importantes tanto no campo da expressividade como em projetos para trabalhos maiores".
 
Um marco da criatividade em São Paulo
Os 60 anos da Panamericana Escola de Arte e Design se misturam à história da profissionalização do talento criativo no Brasil, tornando-se uma referência nacional em excelência de ensino. Desde sua inauguração em 1963, a escola mantém o propósito de trazer o aluno mais próximo do mercado de trabalho de forma assertiva e estimulando suas vocações artísticas e seus talentos. "O olhar visionário de Enrique Lipszyc já é visto desde o início, quando criou a Panamericana em Buenos Aires. Profissionalizar os ofícios no campo das artes não era uma realidade 60 anos atrás, então posso dizer que a Panamericana é uma pioneira nesse segmento em São Paulo e um exemplo a ser seguido em diversos lugares do Brasil", comenta Alex Lipszyc.
 
A evolução no sistema de ensino da Panamericana foi desenvolvendo-se no decorrer dos anos, sempre atenta ao que o mundo contemporâneo demandava. Mas nada se compara ao salto evolutivo imposto pela pandemia. "Nos vimos numa realidade que exigiu uma adaptação muito acelerada, o que também permitiu que colocássemos em prática algumas ideias que já tínhamos há muito tempo", conta Alex. A partir desse contexto, a Escola remodelou a sua grade curricular, trazendo cursos EAD, outros de curta duração, além de reavaliar o tempo dedicado de cada aluno ao curso, oferecendo uma trilha educacional mais assertiva para o seu objetivo profissional.
 
"Estamos em um momento crucial no qual a tecnologia da inteligência artificial nos desafia como profissionais da economia criativa. Então, temos que ter um olhar para o futuro das carreiras que seguirão tendo o seu diferencial, adaptando o dia a dia do aluno dentro da instituição para que ele consiga apreender todo o nosso conteúdo e adaptá-lo à realidade dele. A dinâmica de ensino se transformou muito com o passar do tempo, mas o propósito da Panamericana segue o mesmo: preparar as pessoas para o mercado de trabalho de maneira eficaz e permanente", completa Alex.
 
A Panamericana e a memória coletiva
Diversos nomes importantes do design, publicidade, artes plásticas, fotografia e design de interiores têm a Panamericana Escola de Arte e Design como importante instrumento em suas formações, além de terem a instituição como um lugar de memórias afetivas. Ex-diretores, professores e colaboradores também fazem parte dessa construção de décadas de referência em profissionalizar talentos. O artista plástico Claudio Tozzi lembra de sua vivência imersiva na escola e também da sua convivência com Enrique Lipszyc. "Enrique foi um grande amigo.
Reunimos um grupo de amigos que faziam viagens sempre em setembro, quando era o aniversário dele. Ele tinha uma grande intimidade com a arte e isso refletia diretamente na sua dedicação para com a escola. A cada descoberta em nossas viagens, ele queria implementar novidades na Panamericana. Conduzi alguns seminários por lá e neles levava bastante a experiência da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, além das experiências que a gente fazia nos laboratórios de pesquisa da imagem, com intuito de aplicá-los na Panamericana, para ter um curso bastante atualizado e contemporâneo do que se fazia no mundo. Enfim, foi uma experiência maravilhosa".
 
Já o desenhista, escritor e empresário Mauricio de Souza, reflete a importância da Panamericana e da figura de Enrique Lipszyc em sua trajetória profissional. "Sem dúvida tive bons momentos na Panamericana em companhia de amigos ligados à instituição. Visitei suas exposições de arte, convivi com artistas, inclusive internacionais, como o criador do gato Garfield, Jim Davis, que virou um colega e amigo. Outras linhas de amizade emergiram de viagens com Enrique Lipszyc. Com ele, mais Álvaro Moya e Jayme Cortez, percorremos diversas feiras de arte entre as quais o salão de Lucca, na Itália, onde recebi o prêmio máximo – Yellow Kid – pelo lançamento da revista da Turma da Mônica. Enrique passou a acompanhar minha publicação com histórias em quadrinhos no jornal Folha de S. Paulo e a cada encontro, avaliava a evolução do estilo nas tiras e elogiava meu layout nas produções".
 
O publicitário Washington Olivetto acredita que a Panamericana Escola de Arte e Design conseguiu atingir um patamar na educação brasileira inédito, tornando-se um patrimônio da cidade de São Paulo e da comunicação no Brasil. "Desde a década de 70, Enrique e eu convivemos de maneira intensa. Eu, começando a trabalhar na DPZ, ele nos primeiros anos da Panamericana. Tive o privilégio de fazer palestras e exposições da W Brasil dentro da escola, além de ser jurado em diversos concursos entre os alunos. Foi muito bom ter Enrique como companhia e consequentemente seu brilhante trabalho dentro do universo criativo no Brasil".
 
Serviço
Exposição O Criador e Sua Obra, por Enrique Lipszyc – Panamericana 60 Anos
Onde – Panamericana Escola de Arte e Design – Avenida Angélica, 1900 – São Paulo
Quando – de 20 de junho a 18 de agosto
Horário de visitação – segunda a sexta das 9h às 20h e aos sábados das 9h às 12h (Domingos e feriados não abre)
Entrada gratuita
 


Por @oblogueirooficial



SIGA NAS REDES SOCIAIS



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE



VEJA TAMBÉM:

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

Bruna Linzmeyer nua em Gabriela

FuturePrint, Brother e Instituto Focus Têxtil firmam parceria para projeto de capacitação em design e estampas

Brizza-Arezzo traz a tendência Brasil Core para a nova cápsula

Chegou! Enjoei inaugura segunda loja física em São Paulo com curadoria especial de marcas e peças únicas a R$ 50

A convite da Aramis, trendhunter Cauã Reymond retrata as transformações da paternidade em campanha de Dia dos Pais

Cipatex lança coleção Enigma no Inspiramais

Sunglass Hut inaugura nova loja com conceito inovador no Shops Jardins

Dia dos Pais: elegância e funcionalidade na linha de couro Originais iPlace

Oakley lança coleção de óculos inspirada nos desafios e superações de atletas