DESTAQUE

GASTRONOMIA: Cerveja Blumenau é eleita a Cervejaria do Ano no Brasil Beer Cup com 23 medalhas

Imagem
Foram seis ouros, 13 pratas e quatro bronzes. Cerimônia aconteceu na noite de sexta-feira (26) A Cerveja Blumenau é a Cervejaria do Ano na categoria grande porte no Brasil Beer Cup 2021. A divulgação do resultado do concurso aconteceu na noite de sexta-feira (26), em Florianópolis (SC). A marca conquistou 23 medalhas, sendo seis de ouro, 13 de prata e quatro de bronze.   As três linhas de produto foram premiadas. Na Mestres do Tempo, que celebra bebidas maturadas em barris na adega da cervejaria, foram nove medalhas, sendo três de ouro: Mestres do Tempo Lambic #1 (no estilo Belgian-Style Lambic), Mestres do Tempo Gueuze #1 (no estilo Belgian-Style Gueuze) e Mestres do Tempo Maracujá Negro (no estilo Mixed-Culture Brett Beer).  A Macuca Imperial Stout levou o ouro no estilo British-Style Imperial Stout e teve quatro edições especiais também premiadas: prata com Tropicalente (no estilo Chilli Pepper Beer) e Pé-de-Moleque (no estilo Field Beer) e bronze com a Bala de Coco (no es

MODA: Curso do Bunka Fashion College capacita empresas brasileiras para a inovação e negócios

Foto: Divulgação
Berço de uma das culturas mais ricas da humanidade e palco de inovações tecnológicas aliadas ao respeito pelo tradicional, o Japão foi o local escolhido pelo Texbrasil, Programa de Internacionalização da Indústria da Moda Brasileira, desenvolvido pela Abit e pela Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), para sediar um curso de formação customizado às empresas do setor têxtil e de confecção brasileiras, com foco em inovação em design e negócios internacionais. Para isso, firmou-se uma parceria com o Bunka Fashion College, uma das mais respeitadas escolas de moda mundiais.

Combinando visitas em empresas japonesas e palestras com especialistas de diferentes áreas, o curso ocorreu de 11 a 22 de maio de 2015 e tinha como objetivo apresentar aos representantes brasileiros as principais características do mercado de moda nipônico e como o Brasil pode se utilizar destas técnicas para se desenvolver no âmbito tecnológico e inovador. Ao todo, 17 marcas participaram do curso: Bia Brazil, Hering, Cataguases, 2 Rios, Dellas Lingerie, Fabiana Milazzo, Fakini Malhas, Gabrielab, RVB Malhas, Beira, Maria Pavan, Intensify.Me, Meias Loa, Sapeka Lingerie, Spirodiro, Trendt e Virgilio Couture. 

Para Matheus Fagundes, vice-presidente da 2 Rios, a visita ao ateliê da marca Anrealage foi um dos grandes destaques da programação. “Durante toda a estadia no Japão pudemos analisar o cuidado que os locais possuem no processo de produção, o quanto a preocupação com os detalhes e com as pessoas no ambiente de trabalho influenciam positivamente o produto final. Visitar o ateliê do estilista Kunihiko Morinaga me inspirou a pensar um pouco fora da realidade, a desenvolver diferentes formas de criar e a estabelecer um DNA forte”, afirma.

Morinaga busca criar suas roupas sob o conceito de que “Deus está nos detalhes”, ideia que faz parte da cultura xintoísta, abordada durante a palestra Japanese Cultural Tradition and Fashion Design, ministrada no Bunka pelo professor Kushigemachi. O estilista também é conhecido pelas roupas com tecidos que mudam de cor de acordo com a incidência de luz.

Já Priscila Gomide, da Intensify.me, ressalta a questão da tecnologia, muito presente no processo criativo dos japoneses. “Pude entender como funciona a moda japonesa e percebi como o foco em inovação é presente em todos os setores da cadeia. Tenho grande interesse em entrar nesse mercado e, com essa viagem, pude fazer contatos com o representante de lingerie da Isetan, uma das maiores redes varejistas do país. Da programação, fiquei muito interessada no scanner de medidas do corpo, localizado no Digital Human Research Center (DHRC)”.

O DHRC da AIST se engaja no desenvolvimento e aplicação das tecnologias fundamentais para servir aos seres humanos, como modelos computacionais das funções humanas que permitem medida, análise, simulação e previsão das funções humanas. O Bunka possui um laboratório de pesquisa especializado em estrutura e funcionalidades do corpo, cuja diretora é a professora Yumiko Ito, que ministrou a palestra Relation Between Body Function and Apparel aos participantes do curso, destacando a preocupação das empresas em desenvolver roupas que de adaptem aos movimentos do corpo, considerando a anatomia da população japonesa.

Outros destaques da programação foram a visita ao Museu da Toyota em Nagoya, que exibe a evolução do processo de fiação de algodão através de 90 máquinas diferentes, e a ida à empresa OJI, conhecida por desenvolver uma fibra proveniente do papel, que é leve, sustentável e resistente à água.
“Essa agenda faz parte das atividades de cooperação que firmamos com o Japão há três anos com o objetivo de estimularmos a inovação e o design nas empresas brasileiras. Além disso, por ter um público muito receptivo a novos designers, o Japão é um dos mercados de ativação do Texbrasil, que pretende manter relações estreitas com instituições, empresas e representantes para divulgar e promover a moda brasileira além-mar”, comenta o presidente da Abit, Rafael Cervone.

Em 2012, dois representantes do Bunka Fashion College estiveram no Brasil para conhecer a produção têxtil nacional. Yoshio Kakishima, diretor de programas internacionais, e Keiko Togashi, professora, visitaram instituições relevantes da indústria da moda em São Paulo e no Rio de Janeiro. Em fevereiro de 2014, o Texbrasil promoveu uma missão de inovação para a Ásia, tendo como um dos destinos do grupo o Bunka Fashion College. Em maio do mesmo ano, a reitora da instituição, Sanae Kosugi, veio a país para uma semana de reuniões e palestras, com o objetivo de trocar informações e fortalecer a parceria Brasil-Japão.