DESTAQUE

GASTRONOMIA: Cerveja Blumenau é eleita a Cervejaria do Ano no Brasil Beer Cup com 23 medalhas

Imagem
Foram seis ouros, 13 pratas e quatro bronzes. Cerimônia aconteceu na noite de sexta-feira (26) A Cerveja Blumenau é a Cervejaria do Ano na categoria grande porte no Brasil Beer Cup 2021. A divulgação do resultado do concurso aconteceu na noite de sexta-feira (26), em Florianópolis (SC). A marca conquistou 23 medalhas, sendo seis de ouro, 13 de prata e quatro de bronze.   As três linhas de produto foram premiadas. Na Mestres do Tempo, que celebra bebidas maturadas em barris na adega da cervejaria, foram nove medalhas, sendo três de ouro: Mestres do Tempo Lambic #1 (no estilo Belgian-Style Lambic), Mestres do Tempo Gueuze #1 (no estilo Belgian-Style Gueuze) e Mestres do Tempo Maracujá Negro (no estilo Mixed-Culture Brett Beer).  A Macuca Imperial Stout levou o ouro no estilo British-Style Imperial Stout e teve quatro edições especiais também premiadas: prata com Tropicalente (no estilo Chilli Pepper Beer) e Pé-de-Moleque (no estilo Field Beer) e bronze com a Bala de Coco (no es

MODA: Riachuelo apresenta Loja do Amanhã e fortalece compromisso de sustentabilidade da marca

Projeto reúne atributos como, redução de CO2, economia de recursos e o uso de energias limpas, medidas já utilizadas pela companhia e que buscam sustentabilidade em todos os processos. A nova loja será modelo para inaugurações, a partir do próximo ano

*Imagem em 3D

A Riachuelo inaugurou a nova loja modelo com atributos mais sustentáveis, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. O movimento é um marco para a varejista que, desde 2015, vem desenvolvendo iniciativas para idealizar lojas cada vez mais sustentáveis, com melhor uso de recursos e insumos renováveis. "A loja Jacarepaguá nasce junto com o projeto CRIA! movimento da Riachuelo para mais do que ser sustentável, democratizar a sustentabilidade. Ele será responsável por ser o guarda-chuva que envolverá todas as iniciativas da marca dentro do pilar de responsabilidade socioeconômica de toda a cadeia produtiva. Além deste marco, a nova loja é uma evolução do trabalho da companhia iniciado em 2015, com a loja Ipanema. De lá para cá, buscamos um espaço projetado para reduzir ao máximo o impacto no meio ambiente, uma iniciativa que carrega a essência do propósito da marca e faz parte da estratégia de negócio da Riachuelo", completa Elio Silva, diretor executivo de Canais e Marketing da Riachuelo.

Intitulada como a "Loja do Amanhã", a Riachuelo Jacarepaguá é a 13ª loja com adoção de forro técnico, que auxilia na redução da reverberação acústica, e uso de tintas à base d'água com menos emissão de poluentes, compostos orgânicos voláteis e com elementos que remetem à biofilia. Focada em garantir uma redução de água, o projeto faz uso de bacias com caixa acoplada e uso de temporizadores nos mictórios e torneiras, que garante 40% a menos de consumo .



Para a iluminação, a Riachuelo fez uso de tecnologia LED que fornece uma redução de até 60% de energia, além de resultar na maior qualidade do ambiente, promove saúde e bem-estar aos colaboradores e clientes. Outro recurso utilizado é o ar-condicionado com volume refrigerante variável e um sistema de alta tecnologia e alta eficiência energética, que faz uso de gás ecológico e pode permitir uma redução no consumo de energia entre 20% e 30% em relação ao sistema de equipamentos convencionais. Ainda no quesito energia, a loja já nasce com recursos 100% proveniente de fontes renováveis, visando menor impacto ambiental, garantido por meio da aquisição do Mercado Livre de Energia. Vale ressaltar que, em 2020, 48% do consumo total de energia da Riachuelo foi proveniente de fontes renováveis, por meio da aquisição de energia incentivada no Mercado Livre de Energia. Além disso, a fábrica de Fortaleza também é abastecida com 100% de energia incentivada. e todas as unidades do Grupo Guararapes usam energia contratada, sendo ela proveniente, especialmente, de hidroelétricas, ou incentivada, vinda de Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCH), Biomassa, Eólica e Solar.

Mais da metade, cerca de 63% das lojas do Grupo Riachuelo possuem certificações de edificações como o LED Gold na loja Ipanema, inédito para operação de uma varejista; certificação HBC na loja Morumbi e escritório Midway, devido ao foco da marca em criar um espaço que visa a saúde e bem-estar dos colaboradores e clientes que ocupam o espaço da loja; e o certificado "Maintenance Covid-19 Basic" do protocolo Covid em todas.



Alinhado aos valores da empresa em propor cada vez mais iniciativas de Diversidade e Inclusão, os provadores da loja Jacarepaguá são sem gênero com divisórias do pé direito ao chão para garantir privacidade, conceito adotado em todas as lojas inauguradas desde 2019.

Dentro das melhores práticas de governança corporativa, a Riachuelo identificou desafios e definiu temas prioritários, e, em 2019, o Planejamento Estratégico de Sustentabilidade do Grupo foi revisto e ações e iniciativas mais robustas passaram a compor a atuação da companhia dentro dos seguintes eixos de atuação: cadeia limpa e transparente, gestão de resíduos, mudanças climáticas, circularidade, eficiência hídrica e energética, produtos mais sustentáveis e investimentos sociais.

Economia circular

Em busca de soluções sustentáveis, a nova loja da Riachuelo, assim como todas as lojas da marca, recebe o programa da varejista de economia circular. Em parceria com a Liga Solidária e Cáritas Brasileira, a Riachuelo disponibiliza coletores para recolher peças de roupas usadas e dar um novo destino a elas. O programa gera empregos e renda além de beneficiar 13 mil crianças, jovens, adultos e idosos em situação de alta vulnerabilidade social, atendidos pela entidade sem fins lucrativos. 56% das peças recolhidas em loja são vendidas nos bazares da Liga e alimentam seus projetos, outros 31% são doados pela entidade para populações vulneráveis e 12% são reciclados, mas não dentro do setor do vestuário. Até o momento, foram coletadas mais de 1 tonelada de roupas.

Para alavancar a economia circular em circuito fechado, inexistente no varejo brasileiro, a Riachuelo acaba de anunciar o investimento de dois anos no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). O objetivo da marca é otimizar os processos de fabricação, com menor dependência de matéria-prima virgem, priorizando resíduos têxteis de suas fábricas e roupas usadas doadas pelos clientes em loja.

Os investimentos preveem a realização de estudos nas vias física e química para se chegar a um novo fio com qualidade que passará a ser utilizado em novos produtos da marca. A ideia é criar uma nova matéria-prima a partir dos próprios resíduos têxteis e assim utilizar menos matérias virgens, impactando ainda menos o meio ambiente. A parceria da Riachuelo com o IPT tem como foco obter escalabilidade, além de contribuir, de fato, para a circularidade no segmento.

Produtos mais sustentáveis

A Riachuelo tem investido em matérias-primas mais sustentáveis em seu compromisso para ofertar produtos que causem menos impactos ambientais aos seus clientes. Por isso a empresa tem trabalhado aumentando a compra de matérias-primas certificadas. Hoje a marca tem um jeans mais sustentável com fibras têxteis mais sustentáveis, energia 100% renovável e com uma redução de até 85% na utilização de químicos. O jeans, para ser produzido, consome até 90% menos de água em relação aos processos convencionais. Isso só é possível dado pela produção na fábrica em Fortaleza.

Além do jeans, a Riachuelo lançou recentemente outras coleções com foco em uma moda mais consciente, como a Fitness Mais Sustentável com peças produzidas com fios de poliamida biodegradáveis Amni Soul Eco® da Rhodia, também com o fio LYCRA® EcoMade feito com 20% de elastano reciclado e com estamparia digital da Berlan Têxtil, que durante todo o processo reduz em 90% o consumo de água e em 30% o consumo de energia, se comparado com o processo rotativo. A Riachuelo também lançou a coleção Tons da Natureza com peças em acabamentos e matérias-primas de menor impacto ambiental, utilizando fibras mais sustentáveis e tingimento natural.

Nesse sentido, o Grupo é membro da Better Cotton fortalecendo seu compromisso em oferecer produtos mais sustentáveis. "A Better Cotton é uma organização global, sem finalidade lucrativa cujo objetivo é promover o cultivo mais sustentável do algodão. Por meio da Better Cotton, podemos estimular um cultivo menos impactante, reduzindo os danos ambientais, aumentando a produtividade e melhorando as condições de segurança e bem-estar dos agricultores", ressalta Mauro Mariz, Diretor de Gente, Gestão e Sustentabilidade da marca.

Processos de produção

Para reduzir os impactos ambientais dos processos, a Riachuelo administra estações de tratamento de efluentes (ETE/) em suas fábricas em Natal e Fortaleza. Na segunda, existe uma ETE doméstica que realiza o tratamento biológico dos efluentes domésticos, gerados principalmente nos sanitários e refeitórios; e uma ETE industrial que realiza o tratamento dos efluentes industriais gerados na lavanderia. "Em Fortaleza, 100% da água consumida é tratada após sua utilização, sendo que 70% desta água é reutilizada em diferentes áreas da fábrica: 5% são destinados aos sanitários, 10% aos jardins e 55% novamente à lavanderia industrial. O restante que corresponde a 30% de água tratada é redirecionado à rede municipal de efluentes", detalha o diretor de sustentabilidade da marca

No quesito material residual como, papel, papelão, plástico e metal, no ano passado, o Grupo Riachuelo reciclou ou reutilizou 4.609 de toneladas e para este ano, até o momento, a empresa já reutilizou ou reciclou 4.800 toneladas.

Cadeia transparente

Os fornecedores da Riachuelo são certificados ABTEX e passam por auditorias periódicas da Riachuelo, para garantir boas práticas e o respeito aos direitos humanos dos trabalhadores. E, desde 2017, a marca apoia o Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo (InPACTO), organização não governamental que tem como missão promover a prevenção e a erradicação do trabalho escravo na cadeia produtiva.

Instituto Riachuelo

Em junho deste ano, a Riachuelo criou um Instituto para concentrar as iniciativas da marca no âmbito socioeconômico. A organização nasce com o propósito de transformar vidas por meio do aprendizado, gerar trabalho e renda, visando o desenvolvimento social e econômico na região do Rio Grande do Norte, berço da marca. Inicialmente a organização está estruturada para atender cinco principais pilares: oficinas de costuras, capacitando mais pessoas para atuarem no programa Pró-Sertão; bordado do sertão de Caicó; o artesanato potiguar em peças de cerâmica; e a circularidade das peças na cadeia produtiva por meio de doações e iniciativas que possam ressignificar resíduos têxteis, contribuindo para o desenvolvimento de uma economia criativa e mais sustentável. Além disso, o Instituto também atua com o algodão agroecológico, que tem crescente procura de empresas que desejam trabalhar com matérias-primas mais sustentáveis.

Hoje, o Instituto impacta cerca de 150 pequenos e médios empreendedores e mais de quatro mil pessoas no sertão nordestino. Entre as iniciativas está a capacitação de mais integrantes do Pró-Sertão, que já gerou cerca de cinco mil empregos diretos, beneficiando indiretamente aproximadamente 50 mil pessoas; e a formação empreendedora de 18 mil jovens no interior do Rio Grande do Norte, ao lado da Junior Achievement, uma das maiores organizações sociais incentivadoras de jovens do mundo.

Acesse o link para conhecer e acompanhar todas as ações do Cria!