MODA: Repórter Brasil lança site e nova versão do app Moda Livre


Aplicativo que avalia como marcas combatem trabalho escravo ganha design mais moderno e novas funcionalidades como ranking e ferramenta de busca

Nesta sexta-feira, 24, dia que marca o Fashion Revolution Day, a ONG Repórter Brasil lança a nova versão do aplicativo Moda Livre, referência em sustentabilidade segundo as Organização das Nações Unidas (ONU). O app avalia como as principais marcas e varejistas de roupa do país monitoram seus fornecedores e combatem o trabalho escravo. O conteúdo do Moda Livre ganha também novo canal e ainda mais visibilidade com a estreia do site modalivre.org.br

O app Moda Livre, com mais de 200 mil downloads, ganha nesta nova versão, design mais moderno e novas funcionalidades como sistema de busca e ranking para comparação das marcas. O aplicativo também apresenta uma nova metodologia, mais complexa e detalhada. Outra seção do app traz a relação dos 43 casos de trabalho escravo flagrados no país no setor de vestuário. O Moda Livre está disponível nas lojas Android e iPhone.

A avaliação das 123 marcas atualmente listadas no Moda Livre é feita através de um sistema de pontuação. A nota atribuída a cada empresa é calculada a partir de duas ferramentas: um questionário, respondido de forma voluntária pelas marcas, e um histórico elaborado pela equipe da Repórter Brasil com base em fiscalizações do governo federal.

A partir daí, as marcas são classificadas em quatro cores:

Verde: empresas que atingiram ao menos 75% da pontuação máxima. São aquelas que demonstram ter os melhores mecanismos de acompanhamento de sua cadeia produtiva, além de possuírem histórico favorável em relação ao tema.

Amarela: empresas que atingiram de 50% a 75% da pontuação máxima. São aquelas que demonstram ter mecanismos de monitoramento de sua cadeia produtiva, mas que possuem histórico desfavorável em casos de trabalho escravo e/ou precisam aprimorar suas ferramentas de combate a problemas trabalhistas.

Vermelha: empresas que atingiram menos de 50% da pontuação máxima. São aquelas que não demonstram ter mecanismos de acompanhamento de sua cadeia produtiva. Além disso, podem apresentar histórico desfavorável em relação ao tema.

Cinza: novidade desta atualização, esta categoria engloba as empresas que não responderam o questionário nos três primeiros meses após terem sido contactadas pela Repórter Brasil. Após esse período, as empresas que continuam sem responder são automaticamente reclassificadas na cor vermelha.

É importante frisar que o Moda Livre não recomenda que o consumidor compre ou deixe de comprar roupas de qualquer marca.

Escravidão na moda

Centenas de trabalhadores - principalmente imigrantes de outros países sul americanos - já foram resgatados de condições análogas às de escravidão em precárias oficinas de costura no Brasil. A capital paulista e a região metropolitana de São Paulo (SP) concentram a maior parte dos casos flagrados por fiscais do governo federal.

Quase sempre essas oficinas são empreendimentos terceirizados. Não raro, produzem para grifes de renome nacional. Há também muitos flagrantes de trabalho escravo associados a pequenos varejistas instalados em importantes polos comerciais de roupas.

O Moda Livre é uma parceria da Repórter Brasil com agência Piu Comunica.

Acesse e confira o novo site Moda Brasil: modalivre.org.br/

Acesse para saber mais: reporterbrasil.org.br/ 

Semana Fashion Revolution

O dia 24 de abril é uma referência mundial para o debate sobre sustentabilidade na indústria da moda. Foi nessa data que ocorreu o desabamento do edifício Rana Plaza, em Bangladesh. No total, 1127 pessoas morreram com a queda do prédio, em 2013. Elas trabalhavam em oficinas em péssimas condições e prestavam serviço a marcas mundialmente conhecidas. A tragédia motivou a criação do Fashion Revolution, iniciativa global que pauta discussões sobre consumo consciente e práticas socioambientais no setor da moda.