MODA: Blogueira Luisa Accorsi se torna sócia da startup de moda consciente OZLLO

Blogueira investe, pela primeira vez, em moda sustentável e se associa a marketplace que reúne peças de marcas que estavam em desuso.


Celebridades investirem em startups não é algo tão incomum em potências como o Vale do Silício — o ator Ashton Kutcher, por exemplo, tem o seu próprio fundo e coloca recursos em negócios como os marketplaces Airbnb, Uber e a plataforma de streaming musical Spotify.

Estamos no começo de um movimento similar no Brasil, com a popularização das startups. Ano passado, a atriz Deborah Secco se tornou sócia da Singu. Julia Petit iniciou sua jornada empreendedora com a Sallve e agora é a vez de Luisa Accorsi se tornar sócia do marketplace de moda OZLLO, sendo a nova imagem do negócio.

O investimento de Luisa não foi precipitado. A OZLLO está passando pela sua primeira rodada de captação de investimentos e com isso ganha um novo impulso para crescer -- a empresa projeta um aumento de 7 vezes de receita até o final deste ano. Até o momento, a startup opera reinvestindo todo o lucro na própria operação. O negócio quase dobra a cada ano, mas os planos para o futuro são ainda mais agressivos e para suportar o crescimento projetado, a OZLLO decidiu arrecadar recursos externos. A sua primeira rodada de seed money é de R$ 1.000.000,00 e já conquistou investidores de peso para suportar o negócio, como sócios da Rappi, Netshoes, Gestão 4.0 e Visionari.

O foco agora será em tecnologia e novos serviços. "O mercado da moda ainda é muito amador e ineficiente. 90% das marcas não estão posicionadas no online e 80% não entende muito de gestão e finanças. Pretendemos avançar nisso nos próximos meses, sendo não só o ponto focal para auxiliar as marcas a venderem suas coleções passadas mas também ajudá-los com outras dores que passam no dia-a-dia", afirma Zoë Póvoa, CEO da OZLLO.

OZLLO: o começo e o crescimento

Criada em 2018 pela empreendedora Zoë Póvoa, a OZLLO trouxe uma nova forma de consumir moda para os brasileiros dando uma solução para peças-desejo que estavam paradas nos closets dos consumidores. "A revenda dessas peças parecia algo quase intuitivo para mim. Eu percebi uma demanda muito latente dos dois lados dessa moeda. Decidi unir quem deseja consumir moda premium a quem tem peças obsoletas para vender". Com o sucesso do negócio, Zoë percebeu que as marcas nacionais passavam pelo mesmo problema. Como afirma a empreendedora, cerca de 20% do que é produzido a cada coleção não é vendido e o fim dessas peças é o mesmo: Acúmulo de estoque!

Hoje, ao acessar a plataforma, os clientes encontram não só desapegos de marcas internacionais, mas também peças de marcas nacionais com até 80% de desconto do preço original. O ticket médio dos itens nacionais gira em torno de R$ 300 e de marcas internacionais R$ 1.800. Além da economia financeira, ao comprar na OZLLO, o cliente contribui também com o meio ambiente. Hoje, o segmento da moda ocupa a segunda posição no ranking das indústrias mais poluentes do mundo.

De cliente para sócia

Luisa é uma das maiores referências quando se trata de blogueiras no Brasil. Nascida em Londrina e residente de São Paulo, ela trabalha no ramo há 10 anos, sendo parceira de inúmeras marcas de moda no Brasil, como Arezzo, NV e Farfetch. "Passei por muitas fases do mercado da moda e do consumo e vejo que as pessoas estão cada vez mais procurando um consumo consciente, o qual eu apoio muito. A oportunidade de fazer parte da OZLLO fez todo o sentido para mim", comenta a influenciadora.

A ambição de Luisa se encontrou com a de Zoë. "Crescemos muito a nossa presença para cidades do interior ao ponto de hoje fazermos mais vendas para fora de São Paulo. Entendemos que, o público que acompanha a Luisa é muito parecido com o nosso, além dela ser uma referência para as mulheres nessas cidades, nas quais queremos ganhar cada vez mais força. Além disso, temos propósitos e ambições muito parecidas, o que facilitou e ajudou no match., diz a fundadora da OZLLO.